Cinco alimentos para estimular a memória e a concentração

Pe. Sérgio comemora com leigos o avanço da evangelização na Zona Rural
8 de junho de 2017
ALIMENTOS FUNCIONAIS
21 de julho de 2017

Já são muito difundidos os benefícios de nos alimentarmos de forma adequada para suprirmos as necessidades do nosso organismo e mantê-lo saudável. Entre as regras básicas, estão: aumentar o consumo de frutas, vegetais, legumes, sementes e peixes e reduzir a ingestão de alimentos processados, com altas taxas de gordura, açúcar e sal.

Nesse contexto, existe um grupo de alimentos que pode contribuir para melhorar a concentração e a capacidade e o estímulo da memória. Que tal inclui-los na sua alimentação diária e deixar seu cérebro tinindo? Confira cinco alimentos para estimular o cérebro:

1. Mirtilo (blueberry)

O estresse oxidativo pode acelerar o processo de envelhecimento do cérebro, com efeitos negativos sobre a função cerebral. De acordo com estudos em animais (acesse aqui e aqui), os antioxidantes (que combatem o estresse oxidativo citado) presentes nos mirtilos tendem a se acumular em áreas do cérebro que são essenciais para a memória.

Eles parecem interagir diretamente com neurônios em envelhecimento, levando a melhorias na sinalização celular.
Estudos com humanos também mostraram resultados promissores. Em um deles, nove participantes idosos com comprometimento cognitivo leve consumiram suco de mirtilo todos os dias. Após 12 semanas, foram observadas melhorias em vários marcadores da função cerebral.

Um estudo de seis anos que contou com 16.010 participantes idosos chegou à conclusão de que os mirtilos e os morangos estavam ligados a atrasos no envelhecimento cognitivo em até 2,5 anos.

Eles também são úteis para diminuir o risco de infarto, para abaixar a pressão arterial, entre outros.

Você pode prepará-lo em sucos, smothies ou ingeri-los em seu formato normal.

2. Peixe

Espécies de peixes como salmão, cavala, arenque e sardinha são ricas em ômega 3, que é essencial para desenvolvimento e manutenção do tecido cerebral e para uma série de outras funções (veja mais em “Alimentos ricos em ômega 3, ômega 6 e ômega 9: quais benefícios proporcionam?”). Há três tipos de ômega 3: ácido alfa-linolênico (ALA), ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosahexaenoico (DHA) – as siglas estão em inglês.

O EPA, segundo estudo, pode ser útil para evitar depressão. Outra pesquisa provou que ele pode ser tão eficaz no combate à doença quanto o popular medicamento Prozac.

O DHA representa 40% dos ácidos gordurosos poli-insaturados presentes no cérebro. Mães com uma dieta suficiente em ômega 3 tiveram filhos com menos riscos de adquirirem doenças mentais e mais chances de adquirirem níveis de inteligência significativos.

Para uma dieta equilibrada, certos nutricionistas recomendam duas porções de peixes ricos em ômega 3 por semana. Há quem tome suplementos, mas outro estudo questionou a efetividade destes, chegando à conclusão de que comer peixes seria mais efetivo. Se você for vegetariano, há outras opções, como a semente de abóbora.

3. Abacate

Embora a fruta apresente altas taxas de gordura, a gordura presente é monoinsaturada e faz bem, ajudando a aumentar o colesterol bom (HDL) e a reduzir o colesterol ruim (LDL). O abacate facilita o fluxo de sangue, e todo alimento com essa função também ajuda o cérebro. “Circulação sanguínea saudável significa cérebro saudável”, diz a médica Ann Kulze.

O abacate apresenta muitos outros benefícios, que vão de diminuição de colesterol à proteção dos olhos.

4. Semente de abóbora

As sementinhas são ricas em ômega 3 e ômega 6 – só este fato já faz delas importantes para o cérebro, como vimos no item 2. As sementes de abóbora têm bastante ácido alfa-linolênico (ALA), que é um ômega 3 essencial de cadeia curta, de origem vegetal, e que nossos corpos não produzem. O ALA pode ser convertido em outros tipos de ômega 3 (EPA e DHA) graças a enzimas presentes no organismo humano.

As sementes de abóbora são perfeitas para quem é vegetariano e não come peixe. Outros alimentos com ômega 3 são semente de linhaça, semente de chia, nozes e outras oleaginosas.

São ricas em magnésio, que ajuda a controlar a pressão sanguínea, o que também auxilia o fluxo de sangue para o cérebro. Ela têm muitas fibras, antioxidantes e podem ajudar na saúde cardíaca e diminuir os níveis de açúcar no sangue.

5. Chocolate escuro

O chocolate escuro, rico em cacau e com pouco açúcar, possui nutrientes, como fibras, ferro, magnésio, potássio e zinco, que proporcionam benefícios à saúde. Ele também apresenta alta quantidade de antioxidantes.

Um estudo com voluntários saudáveis mostrou que cinco dias de consumo de cacau de alto teor de flavanol melhoraram o fluxo sanguíneo para o cérebro dos indivíduos.

O cacau também pode melhorar significativamente a função cognitiva em idosos com deficiência mental, aumentar fluência verbal e diminuir fatores de risco para doenças mentais.

O chocolate escuro rico em cacau contém substâncias estimulantes, como a cafeína e a teobromina, o que pode ser uma das principais razões pelas quais o cacau é capaz de melhorar a função cerebral de curto prazo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *